Praças e Parques

Bosque Maia

Implantado ao longo da Avenida Paulo Faccini, no bairro Parque Renato Maia, o “Bosque Maia”, de características nativas, aprazíveis e essencialmente turísticas, se constitui numa estreita reserva florestal, em meio à cidade de Guarulhos.

Ele atrai, com seu verdor, muitos transeuntes e em maior número deles, nos finais de semana, feriados e período de férias escolares.

Bosque MaiaApresenta Parque de Diversão instalado pela Prefeitura Municipal, com brinquedos para a garotada. Atletas fazem “Cooper” ao seu redor e ao longo da citada avenida.
A vegetação do Bosque Maia abrange belas árvores que, remotas, se aglomeram e purificam o ar guarulhense, devido ao seu potencial verde e que propaga um agradável clima tropical de frescor aromático silvestre.

Sem dúvida um dos poucos locais da cidade onde a natureza, além de paisagística enfeita aquela pródiga região, exclusivamente povoada de belíssimas residências e raros prédios de edifícios. Conforme pesquisas de ecologistas o bosque é tão antigo quanto à cidade de Guarulhos. Suas frondosas árvores datam de tempos longínquos e sempre garantiram a pureza da atmosfera.

Av. Paulo Faccini, s/n – Centro
Horto Municipal

Horto Municipal
O Horto Florestal situa-se na região nordeste de Guarulhos. Sua área compreende 297.435.50 m2 de extensão, sendo que 61% encontra-se em seu estado primitivo. Os 39% restantes são utilizados para as instalações dos viveiros de espécies vegetais, oferecendo 164 variedades de plantas, que são destinadas à implantação de praças e áreas verdes, doação à população e para os serviços de reflorestamento em áreas degradadas.

Esta área foi desapropriada em l977, tendo como objetivo a recuperação da Mata Atlântica para a conservação de seus mananciais, a implantação de viveiros de plantas e a instalação de um horto florestal.

Embora a desapropriação tenha ocorrido em 1977, o horto florestal foi inaugurado em 1981. Em 19.12.96, com a Lei Municipal 065/95, o horto florestal passou a denominar-se Horto Municipal Burle Marx. Essa denominação prende-se ao fato de homenagearmos Roberto Burle Marx, que é considerado um grande paisagista, pois abriu caminhos para uma nova visão da paisagem.

Roberto Burle Marx nasceu em 04 de agosto de 1909 e faleceu em 1995. Seu pai, Wilhem Marx, veio da Alemanha em 1895, e sua mãe, Cecília Burle, era de Pernambuco. Durante sua vida, Burle Marx dedicou-se profundamente às plantas e ao meio ambiente.

R. Mato das Cobras, S/N – Bonsucesso – Tel.: (0-11) 6468 0011 ramal 2339

Praça Getúlio Vargas

Praça Getúlio VargasToda a área onde hoje está implantada a Praça Getúlio Vargas, incluindo a edificação do prédio da atual Câmara Municipal de Guarulhos, era um grande terreno baldio. De um lado se estendia um capim denso com animais soltos, de outro, um campo de futebol improvisado e rústico, de chão batido e em leve declínio que, anos mais tarde, foi restaurado e ocupado pelo Paulista Futebol Clube.

Em 03/12/1949, no governo de Fioravante Iervolino, o mesmo espaço foi declarado de utilidade pública com o objetivo de ser construído o Paço Municipal, mas a autorização da desapropriação veio somente em 1951. A priori foi construído um largo que foi chamado de “Praça Getúlio Vargas”.

Em julho do ano seguinte a Prefeitura Municipal deu início aos serviços de ajardinamento. Aos poucos a praça foi transformando o local, ganhando beleza com seu verde florido. Caminhos arborizados, sinuosos e calçados em seus leitos, se entrelaçavam em meio ao gramado, admirando a todos. Bancos de concreto que foram cortesia de comerciantes, instalações sanitárias alojadas em sua parte central e postes com luminárias completavam os equipamentos.

Depois foi construídos o coreto onde a Lira Musical Guarulhense se apresentava com freqüência e uma fonte luminosa e colorida com águas dançantes.
Gestões políticas em diferentes tempos nunca desprezaram a praça. As remodelações foram sucessivas e constantes. Assim em 1949 ela foi destacada para a Construção da Municipalidade que foi transferida para o Bom Clima e, desde 1981, a Praça é ocupada pela Câmara Municipal.

A Praça Getúlio Vargas marca ainda episódios pitorescos, dentre eles o “projeto do pombal”, aprovado em plenário e ali existente até hoje. Em 1960, quando das comemorações alusivas ao IV Centenário de Guarulhos, recebeu o monumento-símbolo da efeméride, uma homenagem do cidadão Moriô Sakamoto.

Praça Getúlio VargasAté nossos dias a praça, tão aprazível, e que é ponto central do município, retrata-nos emsuaexistência fatos de sua história: o Monumento do marco geográfico da cidade; o Projeto da Câmara, desde 1963, em se construir o busto de Getúlio Vargas; o Centro nevrálgico da cidade, ponto de encontro da população; a Instalação do busto em homenagem à “Mãe Negra”; o “O símbolo da cidade-símbolo”. Em sua apresentação exibe onipotente os quatro séculos de Guarulhos.
Praça IV Centenário

Praça IV Centenário A ferroviária de Guarulhos bem merecia ser narrada através dos tempos. E seria um livro de muitos capítulos que na certa informaria relatos curiosos sobre o funcionamento da antiga Companhia “TRANAY DA CANTAREIRA”, depois “ESTRADA DE FERRO SOROCABANA”. E tantas foram ás marchas da “Maria Fumaça” no seu vaivém, até que, cansada, puxou o último trem, em 1965, já a “diesel”, com nostálgicas melancolias.

Mas é na estação férrea “final de linha”, quando termina também a Rua Cerqueira César, na Praça IV Centenário que aumentam as lembranças e saudades inesquecíveis. Estação: “Guarulhos”, Jardim Santa Francisca. A praça fora ampliada, remodelada…

Os jardins, com passarelas coloridas enfeitam a nova paisagem. Árvores foram plantadas, algumas velhas, mantidas. E lá estão conservados e expostos ao público, verdadeiros patrimônios: a velha máquina “Maria Fumaça” inerte sobre as linhas de ferro, a estação restaurada, o casarão também antigo do chefe de estado ainda conserva a arquitetura da época distante e os bancos do pátio que confortavam passageiros na espera do trem.

Ornamentos em ferro artístico completam a beleza do local, desenhados nas paredes antigas, sustentando a estrutura metálica da construção.